História da Marca
História da Marca
História

Reza a história que terão sido os Vinhos Verdes 

os primeiros vinhos portugueses exportados para os mercados europeus. Nos séculos XVI e XVII, os vinhos do Vale do Minho e do Vale do Lima eram regularmente transportados para o Norte da Europa nos mesmos barcos que traziam o bacalhau e produtos manufacturados para sul.

Já no tempo da monarquia, mais precisamente durante o reinado de D. Carlos, em 1908, reconheceu-se oficialmente a qualidade e genuinidade da região vitivinícola dos Vinhos Verdes, através da atribuição da demarcação da respectiva área geográfica de produção.

Hoje a Região dos Vinhos Verdes, ocupando o Noroeste de Portugal, é uma das maiores e mais antigas regiões vitivinícolas do mundo. Movimenta milhares de produtores, numa actividade económica geradora de riqueza e postos de trabalho, contribuindo solidamente para o desenvolvimento do Minho e do país. Aqui se produzem os vinhos com denominação de origem Vinho Verde que se afirmam e valorizam como únicos no mundo.

A origem da marca Vinho Verde remete para as características naturais da região que o produz, densamente verdejante, mas também para o próprio perfil do vinho que pela sua frescura e leveza se diz verde em alusão à sua juventude e por oposição a outros vinhos mais complexos e pesados.

Recorrentemente premiado em concursos nacionais e internacionais, o Vinho Verde de hoje não é certamente o mesmo de há uma década, em resultado do investimento da Região dos Vinhos Verdes em novas vinhas, novos sistemas de condução da vinha, uma nova geração de enólogos e a profissionalização de toda a actividade. Ano após ano, os produtores da Região dos Vinhos Verdes surpreendem os mercados com vinhos mais inovadores e de qualidade superior. Frescos e exuberantes, os vinhos são equilibrados e alguns, como o Vinho Verde Alvarinho, mostram um notável potencial de envelhecimento.